Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOG do VISCONDE



Terça-feira, 25.09.07

Canção do Exílio

    Lá fora, 37º em pleno junho. Aqui dentro o ribombar de trombetas evangélicas me faz avistar o destino próximo. O que fazer com as angústias e desilusões antigas? O que fazer com o pulsar desordenado de um coração que me dilacera? Uma gutural e cadavérica gargalhada plaina na atmosfera quente e úmida de meu quarto e me faz claudicar as próprias pernas. O que é isso? A paisagem fria e estéril dessa terra me consome. Serão saudades? Recordações? Saudades e recordações?

    -- U Qui mi incomoda nãum é a partida, max u tempu di espera i a saudade que essa porprociona - dizia-me vez em quando compadre Nestor. Notórias palavras... meu compadre, hoje vejo, a saudade sufoca e angustia. Angustia por não saber lidar com ela, angustia por exilar-nos num vale de sombras, angustia pela intensidade sintática que possui, por não ser nada nem tudo, mas a ausência de ambos. Saudade é ferida que não sara.

    Sarará um dia? Não importa, nada mais - ou quase nada - importa. O calor é infernal, torna-se desesperador. O céu turvo e sem folhas a manchá-lo com seu verde musgo me assusta - paisagem morta, seca, “vazia”, paisagem monocromática. Os dias são sempre assim, nenhum pássaro gorjeia no ocaso, nenhuma cigarra vocifera sua estridente melodia, só(mente) pombos, domesticados, não vistos a olhos nus, escondidos nas torres das igrejas e percebidos apenas por seus excrementos imundos depositados nas ruas, denunciam vida pulsante (não humana). As noites, entretanto, são mais agradáveis. Nenhuma estrela, é certo, o luar - que para aparecer tem que se esquivar timidamente dos altos e pontiagudos prédios - divide seu brilho com o néon reluzente e multicolor... E as luzes, a vida por aqui, sem ela nada pode, nada vive, tudo é preso.

    É, compadre Nestor, você que está certo, a saudade machuca (angustia). A saudade exila o exilado, compadre. Não restam mais caminhos, as saídas se fecharam e o abismo é fundo, tão fundo e vazio quanto eu... Se ao menos eu pudesse me conformar: Não permita Deus que eu morra, sem que volte para lá. Se ao menos tivesse a coragem de chorar, meu Deus. Como arrastarei pela vida o escarniante latejar das recordções, as minhas infantis recordações? Como viverei aqui, trancafiado numa fria prisão de mármore, sem o fulgor intenso dos balões, única luz em uma vida?

    Queimam-se na ardente fogueira as ilusões efêmeras. Enquanto isso sobe, sobe balãozinho querido, sobe na alvura da noite escura, que escrevo eu aqui, escrevo e vivo, entre quatro paredes, enjaulado feito uma fera amedrontada, a saudade que fica dum tempo - nenhum - que não volta mais. É o paraíso no fim.

 

-----------------------------

 

CONTO ESCRITO EM 2001 E PUBLICADO EM MEU LIVRO (INTITULADO "PANDEMÔNIO").

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Visconde de Sabugosa às 17:02



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30