Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOG do VISCONDE



Sábado, 13.10.07

A hora marcada*

    Cansado eu me retiro do trabalho. Sete horas da noite e essa merda de semana que não passa. Sempre digo que o trabalho numa repartição é o mais enfadonho, pois se cumpre um expediente vazio e sem muito o que fazer. O motivo que me faz trabalhar nessa porcaria de emprego não é o ônus que recebo por vender minha força de trabalho, mas simplesmente o aconchego e tranqüilidade que essa função me proporciona. Consegui esse trabalho por indicação de um amigo, há sete anos, e desde então não saí mais -- mera conveniência dada por uma brincadeira boba do destino.

    Geralmente freqüento o Bar Brasil, na Alameda do Rato, após o expediente. Porém hoje, arbitrariamente hoje, estou sem saco para aturar as brincadeiras da Rosana Chupa-Rolas, aquela vadia gorda que trabalha no bar e acha que é gostosa. Hoje vou para casa dar um cheiro na Lurdinha e transar com ela de tudo quanto é jeito. Lurdinha é mulher fogosa e me ama. É o tipo de mulher feita para ter vários maridos, dois ou três por noite, dependendo do movimento e da necessidade. Acontece que atitudes desse tipo não fazem parte de seu gênio. Se assim fosse estaria até hoje me aturando?

    Sempre que chego em casa me recepciona aos beijos, com carinhos e um sorriso lindo. Mesmo nos dias em que digo não, em que não correspondo aos seu afagos, ela se resigna a dar-me um beijo e dizer: -- "Tudo bem, querido! Amanhã faremos xenhenhem..." Por isso é que estou indo mais cedo para casa hoje, com uma linda rosa e um cartão nas mãos. Hoje aquela safada gostosa não me escapa; aquela depravada será minha. Hoje ela verá quem é Leocádio Santos.

    Já avisto atrás da curva meu barraco. Aquela casinha azul, ali, modesta -- cenário comum às nossas obscenidades amorosas --, crepitará chamuscante logo mais. Lurdinha arderá fogosa em nossa cama, semovente como uma vampira ávida por sangue. É sempre assim com ela: quando a como sempre fica uma fresta da janela aberta no intuito de que alguém nos veja. Dá mais excitação e a faz gozar mais gostoso -- coisa que geralmente faz com a buceta em minha boca.

    Chego em casa e abro, já louco, o portão devagar, como para fazer uma surpresa -- Lurdinha adora surpresas. Porém, quando entro no terreno, percebo que a janela está entreaberta e que, no quarto está Lurdinha com outro homem. De quatro ela geme e sua feito cadela no cio, pedindo pau e querendo ser chamada de puta. Louco e transtornado, penso entrar na casa e acabar lentamente com os dois enquanto transam e gozam. Porém, percebendo que tudo isso faz parte de um jogo, espio ansioso Lurdinha gozar, ciente de que ela sabe de minha presença.

    Estranho é que parece ainda mais gostosa e insinuante no corpo de outro homem -- espécie de ritual de preparação para desejos incontroláveis. Com um puta tesão nada faço; espero apenas o tempo passar, até que se anuncie a hora de minha costumeira chegada, prenúncio amoroso da nossa hora marcada.


-----------------------------

 

* Resumo do conto homônimo escrito no mesmo dia.

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

por Visconde de Sabugosa às 04:17



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2007

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031